REFLEXÕES

 PARA LER E GUARDAR NO CORAÇÃO

O FRIO QUE VEM DE DENTRO

FRIO

Conta-se que seis homens ficaram presos numa caverna por causa de uma avalanche de neve.

Teriam que esperar até o amanhecer para receber socorro. Cada um deles trazia um pouco de lenha e havia uma pequena fogueira ao redor da qual eles se aqueciam.

Eles sabiam que se o fogo apagasse todos morreriam de frio antes que o dia clareasse.

Chegou a hora de cada um colocar sua lenha na fogueira: era a única maneira de poderem sobreviver.

O primeiro homem era racista. Ele olhou demoradamente para os outros cinco e descobriu que um deles tinha a pele escura.

Então, raciocinou consigo mesmo: "Aquele negro! Jamais darei minha lenha para aquecer um negro". E guardou-a protegendo-a dos olhares dos demais.

O segundo homem era um rico avarento. Estava ali porque esperava receber os juros de uma dívida. Olhou ao redor e viu um homem da montanha que trazia sua pobreza no aspecto rude do semblante e nas roupas velhas e remendadas.

Ele calculava o valor da sua lenha e, enquanto sonhava com o seu lucro, pensou: "Eu, dar a minha lenha para aquecer um preguiçoso? Nem pensar".

O terceiro homem era negro. Seus olhos faiscavam de resentimento. Não havia qualquer sinal de perdão ou de resignação que o sofrimento ensina.

Seu pensamento era muito prático: "É bem provável que eu precise desta lenha para me defender. Além disso, eu jamais daria minha lenha para salvar aqueles que me oprimem". E guardou suas lenhas com cuidado.

O quarto homem era um pobre da montanha. Ele conhecia mais do que os outros os caminhos, os perigos e os segredos da neve. Este pensou: "Esta nevasca pode durar vários dias. Vou guardar minha lenha."

O quinto homem parecia alheio a tudo. Era um sonhador. Olhando fixamente para as brasas, nem lhe passou pela cabeça oferecer a lenha que carregava.

Ele estava preocupado demais com suas próprias visões (ou alucinações?) para pensar em ser útil.

O último homem trazia nos vincos da testa e nas palmas calosas das mãos os sinais de uma vida de trabalho. Seu raciocínio era curto e rápido. "Esta lenha é minha. Custou o meu trabalho. Não darei a ninguém nem mesmo o menor dos gravetos".

Com estes pensamentos, os seis homens permaneceram imóveis. A última brasa da fogueira se cobriu de cinzas e, finalmente apagou.

No alvorecer do dia, quando os homens do socorro chegaram à caverna encontraram seis cadáveres congelados, cada qual segurando um feixe de lenha.

Olhando para aquele triste quadro, o chefe da equipe de socorro disse:

"O frio que os matou não foi o frio de fora, mas o frio de dentro".

 

"O SABOR DO PÃO PARTILHADO NÃO TEM IGUAL" (Saint -exupéry)

pão

A mesa representa o infinito, não tem início nem fim. Quando estamos à mesa, criamos vínculo, fortalecemos as relações, tecemos uma rede indissolúvel que pode atravessar os anos. Por isso, é tão importante sempre recordar que lugar de refeição é à mesa, não a frente de T.V ou computadores.

Mesa é lugar de aconchego, de perdão, de partilha. Tem um "gosto gostoso" de irmandade. Nossas refeições não podem atender a um único objetivo que é o de saciar a fome biológica, mas deve comunicar vida.

É por isso, que:

  • Fazemos brindes ao beber;
  • Temos pratos especiais para certas épocas do ano;
  • Não fazemos festa sem comida;
  • Guardamos na lembrança comidas que têm gosto de infância;
  • Cada cultura se expressa na refeição.

As religiões também reconhecem na refeição um valor que ultrapassa a necessidade de nutrir o corpo. Muitas delas têm preceitos referentes à comida ou usam certos alimentos com significado no ritual.

Alguns exemplos:

  • Várias religiões antigas ofereciam alimentos aos deuses e aos mortos.
  • Religiões afro-brasileiras têm comidas específicas relacionadas a seus orixás.
  • Judeus e mulçumanos consideram proibidos certos alimentos.
  • Há hindus que não comem carne, com sinal de respeito à vida.
  • Jejum faz parte da prática de cultivo da espiritualidade em muitas religiões.